Compositores & Composições #1 – Bruno Caliman
09/10/2014

Olá, amigos… Está no ar um novo quadro. Através deste iremos conhecer e explorar a fundo o trabalho dos compositores, que, afinal, são os maiores responsáveis pelas trilhas sonoras que marcam os grandes momentos de nossas vidas.

O quadro será basicamente atualizado de acordo com o mercado. Os compositores que estão vivendo boa fase dentro da música sertaneja, vão aparecer por aqui. Essa semana, dando start a esse “projeto”, conheceremos um pouco o genial trabalho de Bruno Caliman. Mas já vou adiantando que, nas próximas semanas, irei colocar em destaque alguns outros talentosos compositores que estão emplacando várias canções na atual fase do sertanejo. Juliano Tchula, Marília Mendonça e Samuel Deolli são alguns exemplos que irão aparecer por aqui em breve. Falarei ainda sobre os principais sucessos de cada um, e a forma diferente com que cada um compõe.

A ideia do quadro, essencialmente, é valorizar esse trabalho tão incrível e tão importante pra música (em geral, não somente no sertanejo). E vamos lá com ele: Domingo de manhã! Digo… Bruno Caliman!

Vou tentar falar um pouco da brilhante trajetória do compositor de uma das músicas mais tocadas, e mais bonitas, lançadas recentemente.

Filho de mãe baiana e pai capixaba, Bruno Caliman, 38, que morou a maior parte da sua vida em Teixeira de Freitas/BA, atualmente é, sem dúvidas, um dos compositores mais respeitados da música sertaneja.

A canção gravada por Marcos & Belutti, “Domingo de Manhã”, é apenas um aperitivo do trabalho do compositor. Antes disso, Caliman já havia se destacado com alguns hits nacionais, como “Locutor”, sucesso na voz do fenômeno Léo Magalhães, que também foi gravada por cerca de outros 90 artistas (Isso mesmo, 90!!!). Não sei quem gravou primeiro, mas eu ouvi muito a versão da dupla Erick & Léo. E pouco tempo após “Locutor” ser estourada nacionalmente, o compositor teve mais outro sucesso a nível nacional: “Beber, cair e levantar”. Essa foi outra canção que ganhou uma versão com vários artistas, mas no sertanejo creio que o grande sucesso foi de André & Adriano. Aviões do Forró e Saia Rodada também fizeram um barulho legal com essa moda (não apenas no nordeste, no Paraná ouvi bastante com eles também, principalmente com o Aviões).

E não demorou muito tempo para o compositor se consolidar de vez no mercado. Em 2011 teve a sensacional “Já não sei mais nada” gravada por Bruno & Marrone, e de lá pra cá foram somente alegrias. Caliman foi de “Fiorino” e “Camaro Amarelo” à “Te esperando” e “Gaveta”. Mostrou um lado que fala de questões rotineiras, como em “Máquina do amor”, do Gabriel Gava, e outro lado mais místico ao escrever “olha esse sorriso ET, olha esse sorriso aberto… Agora me responde aê, tem coisa mais bonita nesse universo?”. Além, é claro, de um romantismo extremo (e muito bem explorado) em faixas como “Destino”, recém-divulgada pelo Lucas Lucco.

Essa forma “mística” de compor, utilizando metáforas em boa parte das canções, é realmente o seu diferencial (e eu acho isso  incrível!). Tanto que um dos discos que eu mais ouvi nesse ano foi o do cantor Felipe Duran, que além da canção “ET”, também nos traz “Sapos”, “Par de Asas”, “Você Passa” e “Pólvora”, todas com um vocabulário rico e bem elaborado pelo Caliman (baixem o CD do Felipe Duran. É sério!).

E ainda quando você menos espera, o compositor aparece com “Mármore” (detalhe, como música de trabalho de Fernando & Sorocaba). Sem falar na fantástica “Lobos”, gravada por Conrado & Aleksandro.

Lendo sobre a carreira do hitmaker na internet, encontrei o trecho de uma entrevista feita com o site SulBandas, onde ele explica como funciona seu processo criativo para produzir as letras: “Eu não tenho uma receita, uma regra ou um processo criativo. Muita gente me faz essa pergunta e Deus é a única resposta honesta que eu consigo dar. Seria poético eu te dizer que fico com um violão na mão, olhando o pôr do Sol, sentado num jardim ou na beira do mar contemplando a natureza.  Mas a realidade é que, a música que hoje paga minha conta de luz, foi escrita no boleto de uma conta de luz vencida. Então é simples assim, eu fico no sofá de madrugada com o violão tentando fazer uma música e, de vez em quando, vou no quarto dos meus filhos e os vejo dormindo, seguros e com saúde. Essa é minha poesia, essa é minha inspiração, que não é diferente da de um professor, um dentista ou um mecânico. É só a inspiração comum de um pai tentando criar os filhos. Só isso.”, afirma o compositor, que é casado e tem 3 filhos.

Sem dúvidas, o vocabulário mais sensacional dos últimos tempos têm sido o desse cara aí. Havia quem não gostasse… Mas nessa altura do campeonato, com certeza já se entregou ao dom tão alterável desse poeta.

Finalizando a postagem, segue uma playlist com alguns (dos vários) sucessos escritos por Bruno Caliman. Semana que vem tem mais compositores por aqui. Abraços e até lá.

Bruno Caliman está no Twitter e também no Instagram. Sigam aí.

Abaixo está a lista das músicas que estão em nossa playlist, com os nomes de alguns parceiros de escreveram sucessos ao juntamente com o Bruno.

Mármore (Bruno Caliman)

Já não sei mais nada (Bruno Caliman)

Lobos (Bruno Caliman)

Domingo de Manhã (Bruno Caliman)

Gaveta (Bruno Caliman / Sorocaba)

Te Esperando (Bruno Caliman)

Fiorino (Bruno Caliman)

Camaro Amarelo (Bruno Caliman / Márcia Araujo / Thiago Machado / Marco Aurélio)

Locutor (Bruno Caliman / Marcelo Marrone)

Máquina do Amor (Bruno Caliman)

Beber, cair e levantar (Bruno Caliman / Thiago Basso / Marcelo Marrone)

Sogrão Caprichou (Bruno Caliman / Luan Santana / Cristiano Savatti / Marcia Araújo)

Toda Sexy (Bruno Caliman / Sérgio Costa / Raimundo Bahia)

E.T (Bruno Caliman)

Par de Asas (Bruno Caliman)