Análise: Lucas Lucco – “A Origem”
30/10/2018

Recentemente, Lucas Lucco lançou o álbum “A Origem”. O projeto foi captado em agosto deste ano, em Goiânia/GO, com produção musical de Willibaldo e direção de vídeo de Tiago Silva (TS Music). A distribuição é da gravadora Sony Music.

Desde o anúncio da gravação, “A Origem” já era um disco bem aguardado. Há três anos o cantor não lançava algo neste formato: imagens e áudio captados em show ao vivo. Neste hiato, Lucas lançou disco de estúdio, o “Adivinha” (2015), e os acústicos “Ensaios” (2017) e “De boa na lagoa” (2018); além de diversos singles, videoclipes, e parcerias inusitadas com artistas do pop, funk e rap nacional.

A Origem” traz 19 músicas, todas inéditas. Várias participações especiais deixam o álbum ainda mais interessante: Maiara e Maraísa, Gustavo Mioto, Wesley Safadão, Léo Santana, Kevinho, Israel e Rodolffo e Padre Fábio de Melo.

Ao contrário dos repertórios que Lucas Lucco lançou anteriormente, este novo, “A Origem”, consegue explorar todas as vertentes musicais conhecidas do cantor. Tem alguns arrochas, bachatas, e muita “bagaceira”. Afinal, foram com as músicas da noitada que o artista ganhou espaço no mainstream. O público do Lucas é jovem, é o público que consome este tipo de música. Nada mais estratégico que voltar a gravar canções nessa pegada – aliás, vai muito além de estratégia. Isso é, de fato, Lucas Lucco: o cantor que consegue transitar do completamente romântico ao mais baladeiro.

O fato é que o álbum “A Origem” é muito bom. Duas faixas (“Briguinha Boba” e “Posto 24h”) emplacaram logo de cara. Acredito que o cantor vai aproveitar muito bem esse repertório, e que outras canções do disco devem se destacar. Além de as duas faixas citadas, “Cão Arrependido” ft. Israel e Rodolffo e “Ausência de Roupa” também estão entre as minhas favoritas no momento. Sem falar, é claro, da parceria com o Padre Fábio de Melo, na canção mais bonita do álbum.

Abaixo, confiram “A Origem” nas plataformas de streaming e YouTube. Ouçam, comentem e compartilhem.